Homens também podem ter câncer de mama

Só 1% do total de casos de tumores de mama acomete homens, segundo o Instituto Nacional de Câncer. Enquanto 14 mil mulheres brasileiras morrem por ano dessa doença, menos de 200 homens sofrem o mesmo destino. No entanto, é preciso reforçar a necessidade de a população não negligenciar o problema, alerta a médica patologista Cristiane Nimir, especialista em mama e integrada ao núcleo de mastologia do hospital Sírio-Libanês.

cancer_mama_masculino

Atualmente, os tumores mamários em homens são associados a uma maior mortalidade do que os femininos. Porém, isso não significa uma maior agressividade da doença em si, e sim um diagnóstico tardio. Isso acontece porque a doença tende a ser flagrada no sexo masculino somente quando já está em estágio avançado. “Os homens nunca esperam padecer desse mal. Dessa forma, só vão notá-lo quando, por exemplo, os nódulos tumorais já estiverem relativamente grandes no peito”, diz Cristiane. Além disso, eles demoram a procurar ajuda por preconceito ou vergonha.

Em geral, o tratamento é semelhante ao câncer de mama feminino e envolve mastectomia – uma cirurgia que remove todo o peito -, quimio/hormonioterapia e radioterapia. Do ponto de vista de prevenção, manter um bom peso e fazer exercícios regularmente é sempre a melhor opção. A especialista também destaca ter atenção ao uso de anabolizantes nas academias. “O uso indiscriminado de hormônios é fator de risco para o aparecimento da mama masculina e o desenvolvimento de doenças a ela associadas”, afirma. Ficar de olho no histórico familiar também é essencial: ter muitos parentes com câncer pode representar um fator de risco para o desenvolvimento da doença.

Sobre Cristiane da Costa Bandeira Abrahão Nimir
Especialista em patologia mamária. Integrada ao Grupo de Mastologia do hospital Sírio Libanês e do Centro de Oncologia do Hospital São José. Patologista da Sociedade Brasileira de Mastologia. Exposta a uma amostra com cerca de 3000 casos de patologia mamária por ano. Tornou-se referência nacional em patologia mamária. Autora e co-autora de diversos capítulos de livros, inclusive na enciclopédia adotada como referência na área na América Latina.

Fonte:  Notícias do Mercado Comunicação Corporativa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *