Médico do esporte explica como preparar o corpo para competições e evitar lesões

Ortopedista e médico do esporte do Hospital Santa Paula dá orientações de como se preparar para as práticas esportivas e prevenir lesões

alongamento-euatleta-get

Com a proximidade dos Jogos Olímpicos, muitas pessoas se deixam levar pelo espírito esportivo e passam a se aventurar em novas modalidades. De acordo com o ortopedista e médico do esporte do Hospital Santa Paula, Fabiano Cunha, o evento estimula um aumento no número de pessoas interessadas em ingressar em práticas esportivas regulares.

Para os iniciantes, é preciso seguir alguns passos:

1 – Escolha uma modalidade compatível com sua condição física atual
2 – Faça um check-up com um médico do esporte
3 – Busque um treinador qualificado
4 – Tenha uma alimentação saudável
5 – Coloque um objetivo nos seus treinos, uma meta; fica mais prazeroso treinar pensando em uma viagem, ou algum evento festivo
6 – Aumente o seu limite aos poucos, só assim você irá evoluir, além de evitar lesões e cansaço

De acordo com o especialista, ao iniciar um programa de exercícios o corpo interpreta seu comportamento e ajusta o metabolismo de acordo com a regularidade dos treinos. “Para os iniciantes, é muito mais efetivo realizar uma caminhada de 40 minutos, 3 vezes por semana, do que caminhar 2 horas no domingo e passar mais 6 dias sem fazer nada. O corpo gosta de regularidade e se acostuma com isso, seja com exercícios regulares ou com o ócio regular”, explica.

O médico afirma que muitos pacientes o procuram com a mesma queixa de que fizeram exercícios e depois de um mês não tinham emagrecido nada e ficaram cheios de dores. “É preciso entender o corpo. Você passa um ano sem se movimentar e de repente volta a caminhar. O cérebro fica confuso, não sabe que você quer emagrecer, só sabe que você não faz exercício. Neste primeiro momento, ele manda mensagens para o corpo entrar em estado de alerta. Daí que vêm as palpitações, formigamentos e as quedas de pressão que muitas pessoas reclamam no primeiro mês de um programa físico”, diz.

Para Cunha, o importante é traçar uma meta. “Estamos em junho e você quer eliminar uns quilinhos para fazer uma viagem em dezembro. Dá tempo de emagrecer gradualmente, com foco na viagem, sem estressar o corpo e progredindo com calma “, ressalta.

Prevenção de lesões

Pela cultura do brasileiro, procuramos apenas um tratamento quando o diagnóstico ou uma lesão já ocorreu. Pouco se trabalha a prevenção de possíveis lesões, especialmente na prática de atividade esportiva.

Segundo dados da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), grande parte das lesões não estão associadas a colisões ou quedas, e sim à rotação e explosão muscular. Apenas 24,1% dos atletas se lesionam em choques, contra 39,2% com lesões musculares e 17,9% que sofrem torções. O estudo também aponta que 72,2% dos traumatismos ocorrem nos membros inferiores – como joelho (11,8%), tornozelo (17,6) e coxas (34,5%).

“A maior incidência de lesões acontece por falta de aquecimento ou exagero na realização das atividades, seja por muita intensidade, muita carga ou longa duração”, alerta Cunha.

O médico do esporte é o profissional que pode sugerir exercícios funcionais para a prevenção de lesões que vão oferecer um ganho na prática esportiva, pois simulam os movimentos do esporte específico e visam a estabilidade, o equilíbrio e a ativação muscular, prevenindo e aumentando o desempenho e o gesto esportivo. Os exercícios são divididos em níveis e o esportista evolui de acordo com sua capacidade de executar os movimentos com maior precisão e menos gasto energético.

“Em qualquer exercício físico podem ocorrer lesões, mas isso não deve te desanimar. Tratadas adequadamente, você pode fazer sua viagem em dezembro em ótimas condições”, conclui Cunha.

Sobre o Hospital Santa Paula

O Hospital Santa Paula, centro de excelência em saúde da zona sul de São Paulo, foi inaugurado em 1958. O HSP ocupa uma área de 15 mil m², possui 200 leitos, 09 salas de cirurgia e 50 leitos dedicados à terapia intensiva: 32 na UTI Geral, 9 na UTI Cardiológica e 9 na UTI Neurológica. O Centro Cirúrgico HSP possui 09 salas de cirurgia e 10 leitos para recuperação anestésica. Anualmente, o HSP realiza 7.500 procedimentos cirúrgicos, 12 mil internações e atende no Pronto Atendimento cerca de 100 mil pacientes. O hospital emprega mais de 1.200 colaboradores e possui um corpo clínico aberto com 1.500 médicos. O HSP é acreditado ONA – Organização Nacional de Acreditação, nível 3, desde 2008; em 2012, conquistou a certificação Joint Commission International (JCI) e em 2014 conquistou certificação Joint Commission International para tratamento de AVC.

Endereço: Av. Santo Amaro, 2468 – Vila Olímpia – (11) 3040-8000
Para mais informações acesse: www.santapaula.com.br

Fonte: Brodeur Partners

Nova pulseira Ayrton Senna: No Pulso do Brasil

Os atletas brasileiros que vão disputar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 contarão com uma inspiração especial: a pulseira em homenagem a Ayrton Senna.

Pulseira_senna

Esse amuleto traz os valores do nosso campeão e demonstra o amor que ele sempre teve pelo Brasil. E tudo isso pode ser visto em um vídeo que só é ativado com a pulseira, por meio de um aplicativo no celular.

Agora, você pode sentir a mesma emoção dos nossos atletas. E ainda contribuir com a educação de milhares de crianças e jovens brasileiros, pois parte das vendas é revertida ao Instituto Ayrton Senna.

#NOPULSODOBRASIL

Fonte: Instituto Ayrton Senna

Nike quer ser seu personal trainer com nova versão de app

Procurando um personal trainer para seus exercícios? A Nike quer ser essa pessoa—ou melhor, esse app. Hoje a empresa está lançando a nova versão do seu aplicativo de exercícios físicos, o Nike+ Training Club.

Nike_training_club_703

“A minha parte favorita no novo aplicativo é a possibilidade de personalização. Eu acho que isso também será o ponto alto do Nike+ Training Club para os usuários”, contou a EXAME.com Jay Lee, diretor de produtos sênior do Nike+.

Assim como Lee definiu em nossa conversa, o objetivo do app é ser um personal trainer de bolso. Ele será capaz de auxiliar o usuário a atingir seus objetivos de exercícios físicos. Mas isso não será feito de forma genérica. Ao fornecer informações sobre sua condição física, o usuário ganha um treino personalizado.

Mas o trabalho de moldar o app para o usuário não acaba por aí. Ao final de cada um dos exercícios, o atleta precisa dar um feedback dizendo se cansou demais, se a atividade foi muito puxado ou se estava dentro de suas capacidades. A cada avaliação como essa, o serviço da Nike fica mais e mais apurado.

“No começo, todos os usuários do aplicativo terão uma experiência parecida. À medida que os treinos são feitos e que o feedback é dado, isso muda e toma mais o perfil do usuário”, disse Lee.

No total são 100 treinos disponibilizados no aplicativo e divididos em três grandes categorias: força, resistência e mobilidade. As opções mostram exercícios para quem tem acessórios e pesos à disposição ou para quem não tem nada para usar.

Criados por parceiros da Nike, os treinos trazem vídeos que mostram as posições corretas. Trabalhar com parceiros profissionais foi uma das grandes preocupações da empresa.

“Tudo que fazemos começa com confiança. Para nós, é absolutamente importante termos os melhores experts trabalho nisso. É isso que eles fazem todos os dias e são parte da comunidade da Nike”, afirmou Lee. “Sem essa relação de confiança, nada funcionaria.”

Um empurrãozinho. Ou dois

“Pessoalmente, preciso de um empurrãozinho e nada me incentiva mais do que ver meus amigos fazendo exercícios”, explicou Lee. Por conta disso, o Nike+ Training Club traz uma área de feed. Ali, é possível compartilhar imagens de seus treinos e ver o que seus amigos andam fazendo. A ideia é despertar o lado competitivo de cada um.

Outro recurso promete incentivar é a conexão com o Spotify, para que as músicas certas toquem na hora do treino. A própria Nike criou algumas listas especiais no serviço de streaming para dar uma animadinha em quem precisar.

Criado em 2009, o Nike+ Training Club foi desenvolvido com foco no público feminino. A empresa, no entanto, deixou isso para trás. Lee explica que hoje, o aplicativo é voltado para todos os públicos.

Entender diferentes atletas, inclusive, foi o grande objetivo desta nova versão. “O que ouvimos de nossos atletas é que era preciso um treino personalizado. Cada um tem um nível e um objetivo. Posso dizer que hoje ninguém tem um programa personalizado e de graça como o que temos nessa nova versão”, disse Lee.

A nova versão do Nike+ Training Club está sendo lançado oficialmente hoje. Ele é grátis, em português e está disponível para Android e iOS.

Fonte: Exame.com